Outras Categorias

16 de julho de 2012
 

A Igreja Primitiva e os Livros Apócrifos

Mais artigos de »
Escrito por: Alan Rennê
marca_dagua_banners

Reproduzo abaixo uma nota publicada no site da Sociedade Bíblica do Brasil, a respeito da Septuaginta. A nota menciona os livros apócrifos incluídos na tradução grega do Antigo Testamento:

Septuaginta (ou Tradução dos Setenta) Esta foi a primeira tradução. Realizada por 70 sábios, ela contém sete livros que não fazem parte da coleção hebraica, pois não estavam incluídos quando o cânon (ou lista oficial) do Antigo Testamento foi estabelecido por exegetas israelitas no final do Século I d.C. A igreja primitiva geralmente incluía tais livros em sua Bíblia. Eles são chamados apócrifos ou deuterocanônicos e encontram-se presentes nas Bíblias de algumas igrejas. Esta tradução do Antigo Testamento foi utilizada em sinagogas de todas as regiões do Mediterrâneo e representou um instrumento fundamental nos esforços empreendidos pelos primeiros discípulos de Jesus na propagação dos ensinamentos de Deus.

De forma interessante, esta nota se tornou uma espécie de viral, visto que a mesma tem sido amplamente reproduzida por blogs e sites católicos romanos. Estes comemoram a “sinceridade” da SBB, e chamam os protestantes de filhos do diabo, por se apegarem à mentira. Deve ser observado que a nota é lacônica, completamente destituída de dados que suportem suas afirmações. Ela começa afirmando o que já é tido como lenda a respeito da Septuaginta, isto é, que a mesma foi fruto do trabalho de 72 sábios que traduziram as Escrituras do Antigo Testamento no espaço de 72 dias. Sabe-se que, na verdade, ela é fruto de um processo de tradução que levou cerca de um século e meio. Entretanto, gostaria de focar sobre duas afirmações problemáticas que se destacam na nota da SBB.

Download (PDF, 197KB)



Sobre o Autor

Alan Rennê
O autor é Bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico do Nordeste, em Teresina (2005); Bacharel em Teologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2009); Mestrando em Teologia (Sacrae Theologiae Magister) com concentração em Estudos Históricos e Teológicos e linha de pesquisa em Teologia Sistemática no Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper.



 
 

 
marca_dagua_banners_la

Beleza imperecível

Há algum tempo um leitor deste site perguntou se eu poderia responder a uma preocupação de sua vida. Ele estava cortejando uma moça e começando a pensar em casamento, mas de repente descobriu que não se sentia mais atra...
por Tim Challies
 

 
 
marca_dagua_banners_ch

Aos pais pedobatistas

O batismo infantil inflige o temor de Deus em mim. Ele realmente estabelece — de uma forma pública e visível — um relacionamento pactual. Um relacionamento de amor, envolvendo promessas e responsabilidades, bênçãos e m...
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_a

A religião mais restritiva no mundo

A religião cristã é ao mesmo tempo a mais abrangente e a mais restritiva no mundo. É uma fé que admite todo tipo possível de pessoa. Mas as admite em apenas um caminho. Há somente um Deus. Somente um. Se houvessem dois d...
por Tim Challies
 

 

 
marca_dagua_banners_la

Ainda não é o fim!

Não poucos cristãos ficam alarmados diante das tragédias dos nossos dias. Quer estejamos falando de catástrofes naturais, como o tsunami, ou de decadência moral, como a legalização do “casamento” homossexual, tais ac...
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Um apelo aos presbíteros

Fui lembrado pelos eventos de ontem[1] o quanto dependo dos meus presbíteros. A tarefa do presbítero é pastorear o pastor. Se eles não fizerem isso, ninguém mais o fará. Isso significa que haverá tempos quando o presbít...
por Carl Trueman
 

 
 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies