Ministério da Igreja

25 de abril de 2011

Um Retorno aos Salmos

Mais artigos de »
Escrito por: Douglas Wilson

À medida que encorajamos esse retorno aos salmos, devemos perceber algumas coisas: A atitude deve ser de alegria e regozijo. “Está alguém alegre”, pergunta Tiago. Então cante salmos (Tg 5.13). O coração deve estar preparado para a disciplina. Estamos vivendo o processo de descobrir uma herança musical que vem sendo jogada fora durante muitos séculos, então, não é algo que vamos recuperar em dez minutos. Não temos uma loja de conveniência reformada. E, por fim, a atitude apropriada de retorno aos salmos é aquela que entende o privilégio dos salmos. Nós não os cantamos porque somos obrigados a isso, mas porque Deus nos deixa cantá-los.

Com o restabelecimento dos salmos em bom andamento, algumas interessantes descobertas surgem. Primeiro, alguém pode já ser crente há cinquenta anos, mas vai começar a cantar coisas que nunca cantou (ou disse) antes. Todas essas coisas estão no hinário de Deus, e por isso devemos nos perguntar por que não estamos cantando o tipo de coisas que Deus nos designou cantar. Há muitos aspectos nisto, mas vou concluir essa seção focando em apenas um deles. O salmista tinha inimigos, e ele tratava disto em suas músicas. O saltério é um hinário de guerra. Se formos sérios sobre conquistar o mundo com o evangelho por meio da adoração bíblica, logo iremos descobrir que não podemos fazer isso sem os Salmos. O que seria apropriado para cantar enquanto movemos nosso aríete contra os portões dos inimigos? Dentre os muitos que se poderia escolher, por que não o Salmo 68? “Levanta-se Deus; dispersam-se os seus inimigos”.

 

Fonte: A Primer on Worship and Reformation: Recovering the High Church Puritan

Tradução: Márcio Santana Sobrinho



Sobre o Autor

Douglas Wilson
Douglas Wilson





 
 

 
marca_dagua_banners_la

Beleza imperecível

Há algum tempo um leitor deste site perguntou se eu poderia responder a uma preocupação de sua vida. Ele estava cortejando uma moça e começando a pensar em casamento, mas de repente descobriu que não se sentia mais atra...
por Tim Challies
 

 
 
marca_dagua_banners_ch

Aos pais pedobatistas

O batismo infantil inflige o temor de Deus em mim. Ele realmente estabelece — de uma forma pública e visível — um relacionamento pactual. Um relacionamento de amor, envolvendo promessas e responsabilidades, bênçãos e m...
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_a

A religião mais restritiva no mundo

A religião cristã é ao mesmo tempo a mais abrangente e a mais restritiva no mundo. É uma fé que admite todo tipo possível de pessoa. Mas as admite em apenas um caminho. Há somente um Deus. Somente um. Se houvessem dois d...
por Tim Challies
 

 

 
marca_dagua_banners_la

Ainda não é o fim!

Não poucos cristãos ficam alarmados diante das tragédias dos nossos dias. Quer estejamos falando de catástrofes naturais, como o tsunami, ou de decadência moral, como a legalização do “casamento” homossexual, tais ac...
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Um apelo aos presbíteros

Fui lembrado pelos eventos de ontem[1] o quanto dependo dos meus presbíteros. A tarefa do presbítero é pastorear o pastor. Se eles não fizerem isso, ninguém mais o fará. Isso significa que haverá tempos quando o presbít...
por Carl Trueman
 

 
 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>