Apologética

13 de fevereiro de 2014
 

Univocidade: Trueman, Clark e Henry

Mais artigos de »
Escrito por: Felipe Sabino
Tags:
marca_dagua_banners_a

Carl Trueman é definitivamente um dos melhores teólogos presbiterianos dos nossos dias. Contudo, o exemplo abaixo mostra como mesmo os grandes erram, e erram feio:

notion of univocity (that, for example, the word ‘good’ can be applied to God and humanity in the same qualitative manner) [link]

Ele faz o comentário acima ao falar sobre Carl Henry e a influência de Gordon Clark sobre o pensamento de Henry. Mas esse exemplo de univocidade é absolutamente falso, pelo menos no caso de Clark e Henry. Eles eram pelagianos? Ora, nem Pelágio diria isso. Eu, hein!

Não sei se foi descuido ou calúnia, mas um exemplo muito mais justo seria “that, for example, the phrase ‘God is good’ have the same qualitative meaning for God and humanity”. Clark afirmava que uma proposição verdadeira (“Jesus é Deus”, por exemplo) significa a mesma coisa para Deus e o homem. Temos acesso à mesma proposição. O conteúdo é o mesmo, caso contrário não teríamos acesso à verdade, algo que a Escritura claramente afirma.

Se temos uma analogia da verdade, e não a própria verdade, então estamos negando o que a Escritura diz. Tudo bem, tudo bem. Você não precisa concordar com isso!

Discordar é uma coisa; todo mundo tem direito. Distorcer o que o outro diz é calúnia ou falta de leitura cuidadosa. Por gostar muito do Trueman, quero acreditar que seja o caso de uma leitura descuidada, ou leitura de fontes secundárias (o que seria irresponsabilidade). Aliás, o artigo do Trueman mostra como é importante sempre analisar as fontes primárias…



Sobre o Autor

Felipe Sabino
Felipe Sabino
O autor é Bacharel em Ciências da Computação pela Universidade Federal de Mato Grosso (2001). Além de cursar o Bacharelado em Filosofia pela Universidade do Sul de Santa Catarina, é Mestrando em Teologia Filosófica pelo Centro de Pós-Graduação Andrew Jumper (Instituto Presbiteriano Mackenzie) e Mestrando em Filosofia (Conceito CAPES 5) pela Universidade de Brasília (UnB). Presbiteriano por convicção, é membro da IPB desde 2002. É atualmente Presbítero da Igreja Presbiteriana Semear (Brasília-DF).



 
 

 
marca_dagua_banners_la

Beleza imperecível

Há algum tempo um leitor deste site perguntou se eu poderia responder a uma preocupação de sua vida. Ele estava cortejando uma moça e começando a pensar em casamento, mas de repente descobriu que não se sentia mais atra...
por Tim Challies
 

 
 
marca_dagua_banners_ch

Aos pais pedobatistas

O batismo infantil inflige o temor de Deus em mim. Ele realmente estabelece — de uma forma pública e visível — um relacionamento pactual. Um relacionamento de amor, envolvendo promessas e responsabilidades, bênçãos e m...
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_a

A religião mais restritiva no mundo

A religião cristã é ao mesmo tempo a mais abrangente e a mais restritiva no mundo. É uma fé que admite todo tipo possível de pessoa. Mas as admite em apenas um caminho. Há somente um Deus. Somente um. Se houvessem dois d...
por Tim Challies
 

 

 
marca_dagua_banners_la

Ainda não é o fim!

Não poucos cristãos ficam alarmados diante das tragédias dos nossos dias. Quer estejamos falando de catástrofes naturais, como o tsunami, ou de decadência moral, como a legalização do “casamento” homossexual, tais ac...
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Um apelo aos presbíteros

Fui lembrado pelos eventos de ontem[1] o quanto dependo dos meus presbíteros. A tarefa do presbítero é pastorear o pastor. Se eles não fizerem isso, ninguém mais o fará. Isso significa que haverá tempos quando o presbít...
por Carl Trueman
 

 
 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies