Outras Categorias

20 de abril de 2011

O que não é Teonomia

Mais artigos de »
Escrito por: Greg L. Bahnsen
Resposta de Bahnsen a uma resenha injusta sobre o seu teonomismo. Bahnsen cita os trechos da sua obra prima, Theonomy in Christian Ethics, como prova de que o revisor estava equivocado.

Eu NÃO defendo uma nova versão de pós-milenismo na qual o mundo é radicalmente transformado por meio de ação social, e não através de um reavivamento evangélico; rejeito essa versão que exige a imposição da lei sobre nações que não chegaram à fé pela graça de Deus [Theonomy, págs. 191ss., 257, 422, 427, 278, 486, 489, também os capítulos 4 e 7].

Eu NÃO penso que o mandato cultural tenha uma importância superior à da Grande Comissão, nem tenho um conceito do Reino que minimiza o papel da Igreja [Theonomy, págs. 33-34, 35-36, 177-181, 199-203, 521ss., 546, também os capítulos 20 e as páginas citadas no parágrafo anterior].

Eu NÃO apoio nenhuma forma de “novo legalismo” que ignora a distinção entre o Antigo e Novo Pacto [Theonomy, capítulos 3, 4, 8, 9, 13, e págs. 218ss., 491].

Eu NÃO defendo que as exigências dietéticas do Antigo Testamento devem ser praticadas hoje [Theonomy, págs. 209-210, 228].

Eu NÃO vejo os mandamentos econômicos, civis e penais de Deus no Antigo Testamento como adições estranhas à “lei moral” que une todos os homens em suas princípios fundamentais [Theonomy, passim, mas especialmente os capítulos 2, 16-23, e o apêndice 2].

Eu NÃO apresento um ponto de vista radicalmente novo ou surpreendente àqueles de nós que temos grande estima pelos Puritanos [Theonomy, apêndice 3, também o capítulo 1 e as citações de teólogos reformados ao longo do livro].

 

Fonte: Covenant Media Foundation

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto – abril/201



Sobre o Autor

Greg L. Bahnsen





 
 

 
marca_dagua_banners_la

Beleza imperecível

Há algum tempo um leitor deste site perguntou se eu poderia responder a uma preocupação de sua vida. Ele estava cortejando uma moça e começando a pensar em casamento, mas de repente descobriu que não se sentia mais atra...
por Tim Challies
 

 
 
marca_dagua_banners_ch

Aos pais pedobatistas

O batismo infantil inflige o temor de Deus em mim. Ele realmente estabelece — de uma forma pública e visível — um relacionamento pactual. Um relacionamento de amor, envolvendo promessas e responsabilidades, bênçãos e m...
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_a

A religião mais restritiva no mundo

A religião cristã é ao mesmo tempo a mais abrangente e a mais restritiva no mundo. É uma fé que admite todo tipo possível de pessoa. Mas as admite em apenas um caminho. Há somente um Deus. Somente um. Se houvessem dois d...
por Tim Challies
 

 

 
marca_dagua_banners_la

Ainda não é o fim!

Não poucos cristãos ficam alarmados diante das tragédias dos nossos dias. Quer estejamos falando de catástrofes naturais, como o tsunami, ou de decadência moral, como a legalização do “casamento” homossexual, tais ac...
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Um apelo aos presbíteros

Fui lembrado pelos eventos de ontem[1] o quanto dependo dos meus presbíteros. A tarefa do presbítero é pastorear o pastor. Se eles não fizerem isso, ninguém mais o fará. Isso significa que haverá tempos quando o presbít...
por Carl Trueman
 

 
 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>