Livros

16 de março de 2009

João Calvino – Comentário sobre Obadias

Mais artigos de »
Escrito por: João Calvino
Tags:, , ,
obadias-calvino_livro

Essa Profecia não consiste de muitos oráculos, nem de muitos sermões, como outras profecias. Apenas anuncia sobre os idumeus uma destruição próxima, e em seguida promete uma restauração ao povo eleito de Deus. Porém, ameaça os idumeus a fim de ministrar consolação ao povo escolhido. Pois foi uma prova dolorosa e dura para os filhos de Jacó, um povo eleito, ver a posteridade de Esaú, o qual fora rejeitado por Deus, prosperando tanto em riqueza quanto em poder.

Como, pois, os filhos de Israel fossem miseráveis em comparação com seus parentes, a adoção divina teria parecido sem valor. E isso – que foi em grande medida a razão por que os israelitas preferissem o quinhão do outro – se observa entre nós: também nossa tristeza se intensifica e nosso enfado aumenta. Portanto, quando os israelitas viram os idumeus vivendo relaxadamente e fora de perigo, quando também os viram no gozo de toda abundância, ao passo que eles mesmos eram expostos como presa aos inimigos, continuamente esperando novas calamidades, não podia ter acontecido senão de a fé deles ter fracassado totalmente, ou ao menos ter se tornado muito enfraquecida. Por este motivo o Profeta mostra aqui que, apesar de os idumeus ora viverem em felicidade, todavia, dentro de um breve intervalo de tempo eles seriam destruídos, pois eram odiados por Deus; e revela que tal seria o caso, como perceberemos pelo conteúdo deste Livro, por causa do povo eleito.

Vemos agora, pois, o propósito do Profeta: como a adversidade podia ter enfraquecido os israelitas e até mesmo os levar ao colapso completo, o Profeta aqui aplica consolo e dá apoio às suas mentes deprimidas, pois o Senhor logo atentaria para eles e tomaria a devida vingança sobre os inimigos deles.

E a causa de essa profecia ser apontada contra os idumeus é somente esta: eles, como conhecemos, enfureceram-se com maior crueldade do que qualquer um outro contra os israelitas: pois não é à toa que se diz no Sl 137.7: ‘Lembra-te dos filhos de Edom no dia de Jerusalém, os quais diziam: Arrasai-a, arrasai-a até às fundações.’ Ora, não consta o tempo em que Obadias profetizou, mas é provável que tal profecia foi anunciada quando os idumeus se levantaram contra os israelitas e os atribularam com muitas vexações: pois parecem estar enganados os que pensam que Obadias viveu antes da época de Isaías. Parece que Jeremias (Jr 49.7-22) e esse Profeta valeram-se dos mesmos pensamentos e quase das mesmas palavras, como veremos subseqüentemente. O Espírito Santo, sem dúvida, podia ter exprimido as mesmas coisas em palavras diferentes; porém, aprouve a ele juntar estes dois testemunhos, para que estes lograssem mais crédito. Não sei se Obadias e Jeremias foram contemporâneos, e sobre tal assunto não precisamos aplicar muito labor. É-nos bastante conhecer que essa profecia foi acrescentada a outras para que os israelitas sentissem-se assegurados de que, conquanto seus parentes, os idumeus, prosperassem por um tempo, todavia, esses não escapariam da mão divina, mas em breve seriam obrigados a prestar contas de sua crueldade, visto como sem causa estiveram em violenta paixão contra o atribulado e aflito povo de Deus.

Ora, nosso Profeta no final revela que Deus se tornaria o vingador de tal crueldade, a qual os idumeus haviam exercido; pois, ainda que castigasse seu próprio povo, ele, todavia, não esqueceu sua aliança gratuita. Vamos agora às palavras.

Download (PDF, 286KB)



Sobre o Autor

João Calvino
João Calvino
João Calvino, advogado, teólogo e reformador da Igreja no século 16, nasceu em Noyon, na Picardia, França, em 1509, e morreu em Genebra, Suiça, em 1564. Dotado de mente brilhante, dedicou seus talentos ao serviço de Cristo e de sua Igreja. Calvino destaca-se pela firmeza e precisão de suas convicções bíblicas e gigantismo de sua teologia. Não obstante, quando escrevia ou pregava, apresentava a mensagem do Evangelho com humildade, simplicidade, clareza e absoluta submissão às Escrituras.




 
 

 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies
 

 
 
logo-r1

Cristo cumpriu os dez mandamentos

Adão quebrou os dez mandamentos no Éden. Mas Cristo guardou os dez mandamentos no “deserto”, sob circunstâncias muito mais intensas do que aquelas às quais Adão foi submetido. Guardou o primeiro mandamento. Ele trouxe ...
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_a

Adão quebrou os dez mandamentos no Éden

  Quais mandamentos Adão quebrou no Jardim quando ele e sua esposa comeram da árvore que Deus ordenou não comessem (Gn 2.16-17; 3.6)? Creio que ele quebrou cada um dos dez mandamentos, e não apenas um ou dois mandament...
por Mark Jones
 

 

 
marca_dagua_banners

O céu beijou a terra: a encarnação

O que é a encarnação? É o céu beijando a terra. Como disse o puritano Thomas Goodwin, quando o Filho tornou-se carne, “céu e terra se encontraram e se beijaram, a saber, Deus e o homem”.
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_la

A Oração do Senhor

Excelente exposição sobre a famosa “Oração do Senhor”.      
por Arthur W. Pink
 

 
 
marca_dagua_banners2

As Responsabilidades do Presbítero

Em textos como Atos 20.28, 1 Pedro 5.1-3 e Hebreus 13.17, fica claro que os presbíteros são (a) pastores do rebanho de Deus. Eles devem cuidar, guiar e alimentar o povo de Deus com a verdade de sua Palavra, assim como bons pa...
por G. I. Williamson
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>