Doutrina/Teologia

26 de abril de 2012
 

Confessionalidade e Distinção

Mais artigos de »
Escrito por: Lucas G. Freire
marca_dagua_banners2

Uma igreja que se diz protestante mas que rejeita todas as confissões da igreja e que diz acreditar “só na bíblia” descarta a própria base histórica para se dizer protestante.

As boas confissões da igreja, tais como o Credo apostólico, o Credo Atanasiano, as Três Formas de Unidade e os Padrões de Westminster são exposições fieis do conteúdo das Escrituras e tem servido a Igreja de Cristo ao longo de toda a história, desde o tempo em que Israel declarava conjuntamente a sua confissão de fé (Dt. 6). As boas confissões provam todas as suas declarações a partir da bíblia e declaram que a bíblia é a única regra infalível.

Os Testemunhas de Jeová dizem acreditar na bíblia também. Mas eles rejeitam as confissões da igreja porque as confissões e credos afirmam coisas como por exemplo a doutrina da Trindade. As confissões servem como um resumo da fé histórica da igreja e são símbolos da igreja porque a distinguem de falsos movimentos. A Declaração da Calcedônia, por exemplo, distingue a igreja cristã dos falsos movimentos contra a doutrina da Trindade.

As confissões também auxiliam a liderança da igreja a disciplinar deslizes no ensino. A igreja confessional não permite ensino que vá contra as confissões. As confissões, escritas em conjunto por homens santos do passado, em jejum e oração, e com conhecimento do texto bíblico, proveem um critério mais sóbrio do que as preferências pessoais de um ou dois pastores na hora de lidar com um ensino falso específico.

O cristão que rejeita qualquer confissão de fé da igreja de Cristo na verdade está afirmando que a igreja começou no século XXI, e que os pais do passado jamais entenderam o evangelho, a ponto de nenhuma dessas confissões serem boas o suficiente para hoje. Isso é rasgar a noiva de Cristo e ofende o princípio bíblico de que Deus ao longo da história tem preservado um povo para Si.

A igreja que rejeita qualquer confissão de fé, justamente por rejeitar aquilo que a distingue dos falsos movimentos e tendências, deve se contentar em não se considerar protestante ou reformada ou distinta de qualquer forma. Na verdade, estará perigosamente correndo o risco de ser mais um dos tantos movimentos sectários.

Exeter, véspera do Dia da Reforma, 2010.



Sobre o Autor

Lucas G. Freire
Lucas G. Freire
Lucas Freire é mestre em relações internacionais e doutorando em política.



 
 

 
marca_dagua_banners_la

Beleza imperecível

Há algum tempo um leitor deste site perguntou se eu poderia responder a uma preocupação de sua vida. Ele estava cortejando uma moça e começando a pensar em casamento, mas de repente descobriu que não se sentia mais atra...
por Tim Challies
 

 
 
marca_dagua_banners_ch

Aos pais pedobatistas

O batismo infantil inflige o temor de Deus em mim. Ele realmente estabelece — de uma forma pública e visível — um relacionamento pactual. Um relacionamento de amor, envolvendo promessas e responsabilidades, bênçãos e m...
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_a

A religião mais restritiva no mundo

A religião cristã é ao mesmo tempo a mais abrangente e a mais restritiva no mundo. É uma fé que admite todo tipo possível de pessoa. Mas as admite em apenas um caminho. Há somente um Deus. Somente um. Se houvessem dois d...
por Tim Challies
 

 

 
marca_dagua_banners_la

Ainda não é o fim!

Não poucos cristãos ficam alarmados diante das tragédias dos nossos dias. Quer estejamos falando de catástrofes naturais, como o tsunami, ou de decadência moral, como a legalização do “casamento” homossexual, tais ac...
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Um apelo aos presbíteros

Fui lembrado pelos eventos de ontem[1] o quanto dependo dos meus presbíteros. A tarefa do presbítero é pastorear o pastor. Se eles não fizerem isso, ninguém mais o fará. Isso significa que haverá tempos quando o presbít...
por Carl Trueman
 

 
 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies