Doutrina/Teologia

20 de abril de 2011

Deus ainda fala?

Mais artigos de »
Escrito por: Russell D. Moore

Eu queria que alguém finalmente fizesse uma Bíblia honesta. 

Alguns de vocês têm letras vermelhas em suas Bíblias. Pensemos sobre isso; eu também as tenho na minha. Supõem-se que elas indicam quando Jesus está falando no texto. E é por causa disso que estou procurando uma Bíblia honesta, uma verdadeira Bíblia com letra vermelha – uma cópia da Palavra de Deus que tenha letras vermelhas desde “No princípio” (Gn 1.1), do começo de Gênesis, até o “Amém”, (Ap 22.21) do final de Apocalipse.

Nosso irmão Pedro conhecia o som das cordas vocais de Jesus. Ele provavelmente poderia ter até imitado alguns dos maneirismos de Jesus, e feito uma imitação quase perfeita do sotaque de Jesus enquanto cozinhava seu peixe ao redor do fogo com os outros discípulos.

Todavia, esse mesmo Pedro, aquele que conhecia Jesus face a face, refere-se à Bíblia que agora você tem em suas mãos como uma palavra “ainda mais firme” até mesmo do que aquelas palavras proferidas pelos homens que ouviram a voz de Deus no monte. O motivo é que a Palavra que você têm em suas mãos foi escrita por homens inspirados pelo Espírito Santo (2 Pedro 1.16-21).

Isso significa que quando Pedro fala – juntamente com todos os apóstolos e profetas – ele está falando as palavras do Espírito. E onde o Espírito está falando, Jesus está falando.

O Espírito, que é o Espírito de Jesus, nos dá essas palavras em nossas Bíblias. Isso significa que toda palavra da Escritura é verdadeira e proveitosa, e está chegando até você com a mesma autoridade como se Jesus de Nazaré fosse atravessar essas paredes e falar as palavras da Bíblia para você face a face.

Essa é a autoridade da Escritura. Esse é o seu poder. E é isso o que significa acreditar verdadeiramente na Bíblia – isto é, amar e obedecer ao nosso Cristo.

[1] – “Mais segura” ou “mais certa” em algumas versões. [N. do T.]

 

Fonte: Southern Seminary Magazine, Vol. 78 (2010), No. 4.

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto – abril/2011



Sobre o Autor

Russell D. Moore





 
 

 
marca_dagua_banners_la

Beleza imperecível

Há algum tempo um leitor deste site perguntou se eu poderia responder a uma preocupação de sua vida. Ele estava cortejando uma moça e começando a pensar em casamento, mas de repente descobriu que não se sentia mais atra...
por Tim Challies
 

 
 
marca_dagua_banners_ch

Aos pais pedobatistas

O batismo infantil inflige o temor de Deus em mim. Ele realmente estabelece — de uma forma pública e visível — um relacionamento pactual. Um relacionamento de amor, envolvendo promessas e responsabilidades, bênçãos e m...
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_a

A religião mais restritiva no mundo

A religião cristã é ao mesmo tempo a mais abrangente e a mais restritiva no mundo. É uma fé que admite todo tipo possível de pessoa. Mas as admite em apenas um caminho. Há somente um Deus. Somente um. Se houvessem dois d...
por Tim Challies
 

 

 
marca_dagua_banners_la

Ainda não é o fim!

Não poucos cristãos ficam alarmados diante das tragédias dos nossos dias. Quer estejamos falando de catástrofes naturais, como o tsunami, ou de decadência moral, como a legalização do “casamento” homossexual, tais ac...
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Um apelo aos presbíteros

Fui lembrado pelos eventos de ontem[1] o quanto dependo dos meus presbíteros. A tarefa do presbítero é pastorear o pastor. Se eles não fizerem isso, ninguém mais o fará. Isso significa que haverá tempos quando o presbít...
por Carl Trueman
 

 
 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>