Ministério da Igreja

15 de julho de 2015
 

A religião mais restritiva no mundo

Mais artigos de »
Escrito por: Tim Challies
Tags:
marca_dagua_banners_a

A religião cristã é ao mesmo tempo a mais abrangente e a mais restritiva no mundo. É uma fé que admite todo tipo possível de pessoa. Mas as admite em apenas um caminho.

Há somente um Deus. Somente um. Se houvessem dois deuses poderia haver dois caminhos para a salvação — você seria salvo por este deus e eu por aquele outro. Mas há somente um Deus e, portanto, somente um caminho para a salvação.

Há somente uma humanidade. Somente uma. Se houvessem dois tipos de pessoas poderia haver dois caminhos para a salvação — você é parte desse grupo e eu daquele outro. Mas há somente uma humanidade e, portanto, somente um caminho para a salvação.

Há somente um Mediador. Somente um. Se houvessem dois mediadores poderia haver dois caminhos para a salvação — você tem este mediador te representando e eu vou com aquele outro. Mas há somente um mediador e, portanto, somente um caminho para a salvação.

Há somente um resgate. Somente um. Se houvessem dois resgates poderia haver dois caminhos para a salvação — você tem seu débito pago por este salvador e o meu débito é pago por aquele outro. Mas há somente um resgate e, portanto, somente um caminho para a salvação.

Um Deus criou uma humanidade representada por um Mediador que pagou um resgate. Assim, há somente um caminho. O caminho para a salvação é tão amplo que ele pode admitir qualquer pessoa que busque a Deus, todavia, tão restrito que ninguém pode entrar a não ser por meio de Jesus Cristo.

“Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranquila e mansa, com toda piedade e respeito. Isto é bom e aceitável diante de Deus, nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade. Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem, o qual a si mesmo se deu em resgate por todos: testemunho que se deve prestar em tempos oportunos. Para isto fui designado pregador e apóstolo (afirmo a verdade, não minto), mestre dos gentios na fé e na verdade.” (1 Timóteo 2.1-7)

 

Fonte: http://www.challies.com/

Traduzido por Felipe Sabino de Araújo Neto (felipe@monergismo.com). Brasília-DF, 15/07/201.



Sobre o Autor

Tim Challies
Tim Challies
É pastor da igreja Grace Fellowship, em Toronto, no Canadá, editor do site de resenhas Discerning Reader e cofundador da Cruciform Press. Casado com Aileen e pai de três filhos, ele também é blogueiro, web designer e autor de várias obras.



 
 

 
marca_dagua_banners_la

Beleza imperecível

Há algum tempo um leitor deste site perguntou se eu poderia responder a uma preocupação de sua vida. Ele estava cortejando uma moça e começando a pensar em casamento, mas de repente descobriu que não se sentia mais atra...
por Tim Challies
 

 
 
marca_dagua_banners_ch

Aos pais pedobatistas

O batismo infantil inflige o temor de Deus em mim. Ele realmente estabelece — de uma forma pública e visível — um relacionamento pactual. Um relacionamento de amor, envolvendo promessas e responsabilidades, bênçãos e m...
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_la

Ainda não é o fim!

Não poucos cristãos ficam alarmados diante das tragédias dos nossos dias. Quer estejamos falando de catástrofes naturais, como o tsunami, ou de decadência moral, como a legalização do “casamento” homossexual, tais ac...
por Felipe Sabino
 

 

 
marca_dagua_banners

Um apelo aos presbíteros

Fui lembrado pelos eventos de ontem[1] o quanto dependo dos meus presbíteros. A tarefa do presbítero é pastorear o pastor. Se eles não fizerem isso, ninguém mais o fará. Isso significa que haverá tempos quando o presbít...
por Carl Trueman
 

 
 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies
 

 
 
marca_dagua_banners_a

Mudanças na Confissão?

    Visto que ninguém alega que a Confissão de Westminster é inerrante, ela está teoricamente sujeita a melhoria. Mas assumindo que o objetivo da reformulação inclua a preservação de todo o pensamento inaltera...
por Gordon H. Clark